Vigilante é Preso após matar cachorro que teria invadido a sua casa e atacado sua família

O vigilante José wallysson Silva Negreiros 31 anos de idade, natural de Campina Grande/PB foi preso no início da noite de segunda-feira, 16 de maio de 2022, após matar um cachorro da raça Bulldog no Conjunto Nova Mossoró.  De acordo com o sargento Sidney Góis que efetuaou a prisão,  o cachorro teria invadido a residência do vigilante matou o cachorro da casa, e se dirigiu para o quarto onde estava uma criança, mas por pouco não conseguiu atingí-la.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e depois de muito trabalho conseguiu conter o Bulldog. O vigilante vendo a situação entrou em desespero, mesmo com o cão imobilizado, sacou a pistola 9mm e efetuou 12 tiros no animal, que morreu na hora. No interior da casa um rastro de sangue, do outro cachorro morto pelo Bulldog. Há informações de que a mulher do vigilante, grávida teria sido derrubada pelo animal, mas ela não foi atacada pelo cachorro.

Ela foi socorrida para o Hospital Tarcísio Maia para avaliação médica. Após ser preso em flagrante, o vigilante foi conduzido à Delegacia de Plantão, onde foi autuado em flagrante, pelo delegado Valtair Camilo de Paiva, por crimes de maus tratos seguido de morte e porte ilegal de arma de fogo.

A pistola é legalizada com registro de posse, mas como o vigilante foi preso em via pública com a arma na mão o delegado, baseado nos depoimentos da PM e do Corpo de Bombeiros, entendeu que houve crime de porte ilegal de arma de fogo. O vigilante foi encaminhado para exames de corpo de delito no Itep e em seguida foi levado para a Cadeia Pública, onde ficará a disposição da justiça.

Fim da Linha

Blogueiro sofre atentado à bala em Caraúbas


O blogueiro João Marcolino, foi alvo de disparos de arma de fogo no início da tarde desta segunda-feira (25) em Caraúbas.

Segundo informações, ele estava saindo para trabalhar quando foi atingido pelos disparos. O comunicador foi socorrido para o hospital da cidade e, em seguida, transferido para o Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM) em Mossoró.

As primeiras informações apontam que o blogueiro foi atingido por cerca de três disparos. Seu estado de saúde inspira cuidados.

Em maio e 2020, João Marcolino afirmou ter sido vítima de uma tentativa de homicídio. Ele foi salvo pela blindagem do veículo que é à prova de balas.

informações: Ismael souza

A SAGA DAS CANDIDATURAS LARANJAS NO PAÍS DE MOSSORÓ: Justiça cassa dois vereadores

A Justiça Eleitoral procedeu com a cassação de dois vereadores da cidade de Mossoró. A ação diz respeito à realização de candidaturas laranjas na cidade de Mossoró.

Segundo a decisão judicial, teria o partido PSC, em Mossoró, procedido com fraude nas eleições de 2020 quando teria inserido mulheres para figurar como laranjas (candidaturas fictícias) no partido.

Na decisão, a Dra. Giulliana Silveira, juíza da 33ª Zona Eleitoral, entendeu que vários fatores demonstraram a ocorrência do ilícito, como irmãs que residiam no mesmo endereço que foram candidatas, dentre outros explicados na decisão.

Com isso, toda a chapa do PSC em Mossoró teve sua votação anulada, perdendo, com isso, os mandatos os vereadores Lamarque e Naldo Feitosa. Assumem, acaso mantida a decisão, Marrom Lanches e o ex-vereador Tony Cabelos.

Ambos poderão recorrer no cargo.

Informações: Agenor melo

Funcionário de empresa é estuprado por travesti em Mossoró

Um funcionário de uma empresa prestadora de serviços petrolíferos foi estuprado por travesti em Mossoró.

A vítima que mora em Catú na Bahia, foi estuprado na noite de quarta-feira (17), por uma travesti conhecida como “Tiffany Beyblade”, após contratar os serviços da mesma, no ponto dela às margens da BR 304, em um local de ponto de prostituição de travestis, de onde saíram em direção ao bairro Abolição.

Segundo consta no boletim de ocorrência, a Polícia Militar foi acionada por pessoas que passavam pela calçadão do bairro Abolição, comunicando que havia um homem nú, com o ânus sangrando e correndo pelas ruas gritando. A vítima informou aos policiais de serviço que teria contratado o serviço da travesti e que pagaria R$ 50,00.

Os dois foram para o final do bairro Abolição  e a vítima encostou o  veiculo, quando, segundo ele, o travesti começou acariciar seu ânus, levando ele a dar uma mordida no pênis do travesti.

Após isso, o travesti Tiffany Beyblade o imobilizou usando técnicas de Jiu-jitsu e amarrou em um poste próximo, abusando da vítima, o qual foi violentado por aproximadamente 1 hora.

Equipe do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionada e a vítima foi encaminhada a uma unidade hospitalar de Mossoró.

O caso foi registrado como estupro, e a travesti encaminhada ao CDP.

Fonte:- Blog do FM.

Justiça do RN prorroga afastamento do prefeito de Porto do Mangue por suspeita de fraudes em contratos do município

O Pleno do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte negou provimento a dois agravos regimentais e manteve o afastamento do prefeito Sael Melo (MDB) do cargo no município de Porto do Mangue, no litoral da Cosa Branca potiguar, por mais 90 dias. 

O pedido de prorrogação foi feito pelo Ministério Público do RN (MPRN). 

O gestor foi afastado da função inicialmente em junho de 2021 em uma operação do Ministério Público que apurava fraudes em contratos firmados pela prefeitura daquela cidade. Além dele, o gerente contábil do município também teve o afastamento renovado. 

Os dois, portanto, estão proibidos de entrar ou permanecer, ainda que para visitação, nas dependências da sede do Poder Executivo Municipal de Porto do Mangue, bem como quaisquer órgãos ou secretarias municipais situadas em prédios diversos. 

Os agravos apresentados pelo prefeito que foram negados eram contra decisão proferida pelo desembargador Cornélio Alves, em 18 de outubro de 2021, que manteve as medidas cautelares contra ele e contra decisão proferida pelo desembargador Saraiva Sobrinho, que decretou novo afastamento pelo prazo de 120 dias. 

O relator decidiu que, além da materialidade e fartos indícios da autoria do delito relacionadas ao acusado, os fatos contemporâneos indicam que sua saída da prefeitura, bem como proibição do acesso às repartições públicas municipais e seu contato com as testemunhas, declarantes e demais investigados, encerra o risco de utilização da máquina administrativa para cometimento de novas infrações penais e mácula à instrução processual. 

O tribunal também negou o pedido de habilitação feito pelo vice-prefeito Francisco Antônio Faustino, que assumiu interinamente o cargo, para acessar os autos da investigação.

30° Homicidio em Mossoró 2022: Homem é morto em via pública no Bairro Barrocas

Mossoró no Oeste Potiguar  atinge a marca dos trinta assassinatos em 2022. Mais um crime de homicídio foi registrado na cidade. Um homem conhecido como “Neguinho” foi morto a tiros em via pública.

O crime aconteceu no início desta manhã de sexta feira 25 de fevereiro na Avenida Alberto Maranhão, proximidade do colégio das irmãs  no Bairro Barrocas.

A Polícia Militar isola o local aguardando as equipes do ITEP e da Delegacia de Plantão.

Mossoró registra o quarto crime de homicídio em menos de 6h

Quatro pessoas foram assassinadas em menos de 6 horas nessa segunda-feira (21) em Mossoró, na região Oeste potiguar. Foram um duplos homicídio.

O duplo homicídio aconteceu por volta das 12h30min, na Rua Balelei, no Planalto 13 de Maio.

Segundo a PM que isola o local, dois homens foram mortos a tiros no quintal de uma residência. Eles foram identificados como, Vitor Renan Medeiros Xaxa de 24 anos e Arthur Anderson Nunes dos Santos, 20 anos.

O terceiro crime aconteceu por volta das 16h30min ao lado do Queiroz do Bairro Teimosos.

A vítima identificada como Francisco Nadson Silva de Araujo foi morto tiros de pistola dentro de um depósito de água e gás, onde trabalhava de entregador.

O quarto crime Um jovem de 20 anos identificado como ViniciusEmerson Silva Cosme foi baleado nas proximidades do Acapulco, na região da Várzea no Alto São Manoel e morreu quando era socorrido pelo Samu.

De acordo com o médico do Samu, a vítima sofreu um tiro na cabeça e ainda chegou a ser intubado para ser encaminhado ao HRTM, mas acabou não resistindo.

A violência explode em Mossoró nesta segunda-feira 21 de fevereiro e a cidade registra 28 homicídios em 2022.

Homem agride namorada de 17 anos com tapas no rosto em lanchonete no RN e é preso

Policiais militares do 3º Pelotão de Tibau do Sul prenderam, na manhã da última terça-feira 1º, um homem suspeito de agredir a própria companheira, em uma lanchonete, em Tibau do Sul, no litoral Sul potiguar.

A guarnição estava realizando patrulhamento na região, quando recebeu a informação de que uma mulher estava sendo agredida pelo seu esposo, nas proximidades da prefeitura de Tibau do Sul. Ao realizar diligências nas imediações, os militares foram informados que o agressor se encontrava escondido na Secretaria do Meio Ambiente do município. Quando chegou ao local, a equipe encontrou marido e mulher e os questionou separadamente. A adolescente de 17 anos relatou que teria levado um empurrão do companheiro.

A Polícia Militar manteve contato com o proprietário de um estabelecimento da cidade, e por meio de imagens de um circuito interno de segurança, foi identificado que o acusado de 24 anos agrediu a mulher com tapas no rosto.

Diante dos fatos, a Polícia Militar conduziu o suspeito por crime de violência contra a mulher ao 2º Distrito Policial da Praia de Pipa. Na delegacia, os policiais descobriram que o agressor responde por três crimes na cidade de Patos, na Paraíba.

Agora RN

Aras pede ao STF que intime Renan e Omar Aziz por uso de dados sigilosos

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta quarta-feira (2) que o Supremo Tribunal Federal (STF) intime a cúpula da antiga Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado — os senadores Omar Aziz (PSD-AM), que atuou como presidente do colegiado, e Renan Calheiros (MDB-AL), que assumiu a relatoria da investigação — para explicar o uso de dados sigilosos durante uma das oitivas da comissão.

“Ante o exposto, o Procurador-Geral da República requer, ad cautelam, a intimação dos representados José Renan Vasconcelos Calheiros e Omar Jose Abdel Aziz, para esclarecimento dos fatos, abrindo-se, em seguida, nova vista, definido o juízo natural em face de possível prevenção no caso”, escreveu Aras.

Abusos e 32 anos de escravidão: doméstica é resgatada de casa de pastor em Mossoró

Uma mulher que trabalhava há 32 anos como empregada doméstica foi resgatada da residência de um pastor em Mossoró. Segundo auditores fiscais do trabalho, ela chegou ao local ainda adolescente, com 16 anos, e sofreu abuso e assédio sexual do empregador. Geraldo Braga da Cunha, da Assembleia de Deus, nega as acusações. 

Uma denúncia anônima chegou ao Ministério do Trabalho e Previdência através da conta @trabalhoescravo no Instagram, mantida pelo Instituto Trabalho Digno. Uma equipe do grupo especial de fiscalização móvel, coordenada pela Inspeção do Trabalho em conjunto com o Ministério Público do Trabalho, a Polícia Federal e a Defensoria Pública da União, foi enviada para verificá-la na semana passada.

Constataram que Maria (nome é fictício para proteger a vítima) era responsável pelos serviços domésticos e recebia em troca moradia, comida, roupa e alguns presentes. Mas nunca teve salário ou conta bancária, nem tirava férias ou interrompia os afazeres nos finais de semana. A fiscalização considerou a ocorrência de trabalho forçado, condições degradantes e jornadas exaustivas. 

“Famílias ‘pegam meninas para criar’, gerando uma relação de exploração. É uma prática comum na região, infelizmente”, explica a auditora fiscal do trabalho Gislene Stacholski, que atuou a investigação da denúncia.

O UOL procurou o pastor, apontado como empregador. Chamando a situação de “pseudo caso de escravidão doméstica e abuso sexual”, seus três advogados assinam nota negando com veemência as acusações. E afirmam que ele está à disposição da Justiça para esclarecimentos que provarão sua inocência. 

Para a defesa, a fiscalização levou à imprensa “informações manipuladas que interessam apenas a quem acusa”, promovendo uma “ação midiática” em “data convenientemente próxima ao Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo” – que foi celebrado no dia 28 de janeiro.

‘Como se fosse uma filha’ 

A auditora Marina Cunha Sampaio, que coordenou a ação em Mossoró, afirma que o empregador, a empregadora e os quatro filhos discordaram da caracterização de trabalho análogo ao de escravo uma vez que, segundo eles, Maria era tratada ‘como se fosse uma filha’ desde que chegou à casa. 

A família é de baixa renda e vive em uma casa humilde. A trabalhadora dividia os mesmos espaços com todos até que, na pandemia, o pastor e sua esposa se mudaram para a casa pastoral, na vizinha Açu, voltando, de tempos em tempos, à antiga residência.

“A despeito de uma filha também ajudar nas tarefas domésticas, a vítima prestava um serviço diário, cuidando da casa e ajudando na criação dos filhos do casal”, afirmou a coordenadora da operação. Maria desistiu de estudar antes de terminar o primeiro ciclo do ensino fundamental. 

De acordo com a fiscalização, o casal nunca cogitou uma adoção formal da “filha”. O pastor chegou a avaliar, há alguns anos, que fosse pago um salário a ela, o que não aconteceu. Mas recolheram o INSS durante algum tempo. O que contribuiu para o reconhecimento de vínculo trabalhista.

Marina Sampaio diz que o pastor afirmou que teve um “relacionamento consensual” com a empregada e que partiu dele a iniciativa de procura-la. Mas em depoimento, Maria disse que tinha “nojo” do empregador e que fugia dele na casa. Abusos e assédios sexuais teriam durado dez anos. 

“Ela não teria como consentir ou não com relações sexuais porque estava na situação vulnerável de alguém que é reduzido à condição análoga à de escravo. Consideramos que foram relações de abuso”, afirma a coordenadora da ação.

A auditora avalia que a família ficou sabendo que isso ocorria, mas manteve as aparências. “A empregadora ainda disse que perdoava a trabalhadora por conta da relação com o marido, ignorando a situação de exploração ao qual ela a submetia.” 

Questionada sobre isso, a defesa do pastor rechaçou o que chama de “tentativa de impor condenações sociais antecipadas, baseadas em juízos de valor não submetidos ao crivo do contraditório”, e afirma que o assunto será tratado no “processo judicial”.

Também diz que “sob o argumento de sigilo utilizado pelos órgãos de fiscalização”, a defesa teve negados o acesso à integra dos autos. Reclama que “a equivocada versão apresentada, corresponde apenas à visão unilateral dos órgãos de fiscalização que, frustrados com sua tentativa de imposição de um acordo injusto, querem macular a imagem de nosso cliente”. 

Até agora, não houve acordo para pagamento da trabalhadora.

Os salários atrasados e verbas rescisórias foram calculados em cerca de R$ 88 mil – parte da dívida já prescreveu. Além disso, o Ministério Público do Trabalho pediu R$ 200 mil em danos morais individuais para Maria, valor condizente com a baixa renda da família. 

“Mas não houve acordo”, afirmou a procuradora do Trabalho Cecília Amália Cunha Santos, que fez parte da operação. Por isso, o MPT deve entrar com uma ação civil pública solicitando o pagamento.

Enquanto isso, ela foi para a casa de uma irmã e deve receber três parcelas do seguro-desemprego que é concedido, desde 2003, aos resgatados do trabalho escravo. Também será encaminhada a um centro que trata de violência contra mulheres. 

Para a procuradora, no caso da escravidão no trabalho doméstico, o processo de libertação não termina com o resgate, mas começa com ele. Segundo ela, faz-se necessário um acompanhamento para que as mulheres ressignifiquem o seu papel nos locais que as exploraram. “Muitas criam uma grande dependência emocional com as famílias”, afirma.

Por Leonardo Sakamoto e Piero Locatelli